Síndrome de Fadiga Crónica | Tratamentos Farmacológicos
A terapêutica medicamentosa deverá ser direccionada para os sintomas específicos de cada doente. Doentes com SFC parecem ser particularmente sensíveis a determinados fármacos, em especial aqueles que actuam no Sistema Nervoso Central. Assim a estratégia a adoptar é iniciar o tratamento com doses muito baixas e fazer um escalonamento gradual até se obter o efeito pretendido com boa tolerância.

É importante realçar que todos os fármacos podem provocar efeitos adversos, que conduzem, por vezes a novos sintomas.

Principais Grupos Fármaco/Terapêuticos

Antidepressivos Triciclícos

Baixas doses de antidepressivos triciclícos melhoram o sono, tornando-o mais reparador. A dor generalizada também pode sofrer uma diminuição.
Neste grupo incluem-se a amitriptilina, a nortriptilina, a desipramina e a doxepina.
As posologias indicadas são muito mais baixas das usadas para tratar a depressão. Os efeitos adversos mais comuns são: boca seca, aumento ligeiro de peso e alteração do ritmo cardíaco.


Antidepressivos
Os antidepressivos das novas gerações como os SSRI (inibidores selectivos da recaptação da serotonina) têm sido prescritos em doentes com esta patologia com algum benefício.
Deste grupo fazem parte a fluoxetina, a paroxetina e a sertalina. Outros fármacos, com mais algumas especificidades a nível dos neurotransmissores, têm produzido bons resultados e são eles a venlafaxina, a trazodona e a bupropiona.
Os efeitos adversos variam de fármaco para fármaco, mas não têm grande significado clínico.


Ansiolíticos
São fármacos prescritos para tratar situações de pânico e ansiedade. Neste grupo incluem-se o alprazolam, o clonazepam e o lorazepam. Em relação ao clonazepam, o seu uso exagerado pode provocar vertigens e sensação de queimadura na pele. Estes medicamentos não devem ser usados por rotina no tratamento do SFC.
Os efeitos adversos mais comuns são: sedação, amnésia e tremor.


Estimulantes
A fadiga, por si só, não é uma indicação formal para uma terapêutica sintomática. Contudo se a fadiga representa letargia ou sonolência diurna poderá haver necessidade de uma abordagem farmacológica. Alguns ensaios mostraram que a amantadina e o modofanil serão úteis.


Antiinflamatórios não esteróides (AINS)
Este vasto grupo de medicamentos pode ser prescritos para alívio da dor e febre. Os mais utilizados são: o naproxeno, o ibuprofeno e o piroxicam.
A dor pode ainda se diminuída com a utilização do tramadol, os inibidores da Cox2 e Cox1 – celecoxibe e refecoxibe.
Todos estes fármacos são, normalmente, seguros quando usados cautelosamente, no entanto, também provocam efeitos adversos: lesão renal, hemorragia digestiva, dor abdominal, náusea e vómitos.
Alguns doentes adquirem dependência a esta terapêutica.


Antimicrobianos
O SFC tem uma etiologia multifactorial. Uma das hipóteses é a presença de uma infecção, mas ainda nada foi verdadeiramente comprovado. Os antibióticos, antivíricos e antifúngicos não devem ser usados, a menos que haja a um diagnóstico objectivo duma infecção concomitante.
OO uso indiscriminado de um antimicrobiano pode conduzir a um aumento das resistências dos microrganismos a estes fármacos, correndo-se o perigo de ter dificuldade em tratar futuras infecções.


Antialérgicos
Alguns doentes apresentam histórias de alergia, e estes sintomas podem resurgir periodicamente. Os antihistamínicos não sedativos são eficazes. Neste grupo de fármacos os mais importantes são: o astemizol e a loratadina, contudo, a terapêutica antialérgica não é eficaz no tratamento da SFC. Os antihistamínicos sedativos como o benadril são usados ao deitar, como ajuda nas perturbações do sono.br /> OOs efeitos adversos mais frequentes são: sonolência, fadiga e cefaleias.


Antihipotensores /Antihipertensores
Em geral, só alguns antihipotensores produzem efeito nos doentes com SFC. Estes fármacos devem ser usados com toda a cautela. Dos antihipotensores a fludrocortisona é a mais prescrita.
Em situações de hipertensão o atenolol é, sem dúvida, uma boa escolha. A midodrina é um fármaco hipertensor que eleva a tensão arterial directamente.
Um aumento da ingestão de sal e água estão recomendados, mas sempre, sob vigilância clínica.


PPor fim….
Fármacos e terapêuticas em estudobr />
Ampligem
Imunoglobulina Inespecífica
Corticosteróides
Dehidropiandrosterona (DHEA)
Suplementos Diatéticos

Vitaminas, Coenzimas e Minerais: AMP, Coenzima Q10,Vit.B12.
VVit.C e A, Melatonina

IMPORTANTE -Todas estas novas abordagens terapêuticas ainda não foram validadas com estudos credíveis na Síndrome de Fadiga Crónica.

Developed by: Centro de Informática - Instituto Politécnico da Guarda